Convidados

Adoção é um encontro de amor incondicional

A constituição da família ocorre de forma diferente para cada pessoa, mas o ponto comum na formação delas é o amor e desejo de compartilhar o melhor de si e da vida. Muitas pessoas – sejam elas solteiras ou um casal – planejam formar ou aumentar a família e optam pela adoção para encontrar essas pessoas especiais. Adoção é um encontro de amor incondicional.

No Brasil qualquer um com mais de 18 anos de idade pode adotar uma criança ou um adolescente. O adotante deve ter no mínimo 16 anos a mais que a criança ou o adolescente que irá adotar.

O casal Fabiana Estrela e Marco Pozza tinham o sonho de aumentar a família e escolheram a adoção para serem pais. Fabiana compartilhou conosco como foi essa caminhada até conhecer os dois filhos e viver esse amor incondicional.

Quando surgiu o desejo de adotar?

Eu sempre quis. Tenho história de adoção na minha família e pensava nessa possibilidade desde criança. Meu esposo logo gostou da ideia quando começamos a conversar sobre isso.

Como e onde começou a pesquisar para saber mais sobre como adotar? Como foram esses primeiros passos para adotar?

Bom, comecei a pesquisa pela internet mesmo. Encontrei todas as informações nos sites de justiça. A partir dali juntamos a documentação, tiramos algumas dúvidas com um vizinho advogado e fomos ao Fórum dar entrada na solicitação. Lá recebemos a orientação sobre como funcionaria tudo. Fiquei impressionada com o bom atendimento. Obs.: nossos vizinhos e amigos se tornaram dindos das crianças! Muito amor envolvido.

Como foi a questão legal da adoção? Vocês receberam visitas na residência? Que requisitos pediram que vocês tivessem para adotar? O que é avaliado?

Foi tudo muito tranquilo. O processo é bem detalhado, pois visa a segurança e bem-estar das crianças e tudo deve acontecer num tempo seguro de avaliação dos candidatos a pai e mãe. Quantos aos pré-requisitos são bem simples: comprovante de residência, renda, … nada de exigências altas, não precisa ser rico para ser aprovado. O foco do processo é garantir que realmente os adultos tem condição de amar as crianças e não abandoná-las nunca mais, independente de classe social ou do que for. Há uma avaliação psicológica também com foco em verificar as condições dos adultos de assumirem essa posição, entender a maturidade da decisão. Tudo é feito com muito zelo e por ótimos profissionais, pelo menos aqui na minha cidade. As visitas na residência ocorrem somente depois que as crianças chegam e tem como objetivo transmitir segurança para a criança nesse período de integração na sua nova família.

Tiveram alguma dificuldade nesse período pré-adoção? É fácil conseguir as informações que precisa para entrar com o processo de adoção?

A equipe do Fórum sempre nos orientou adequadamente, achei bem tranquilo. Claro que eu confirmava com meu amigo advogado. Ele sempre validou o que era orientado. Todo o nosso processo levou um ano, entre entrada da documentação e a chegada das crianças na nossa casa.

Alguns fatores interferem nesse tempo: idade das crianças, se aceita irmãos, esses pontos podem acelerar o tempo de espera. Espiritualmente, também acredito que cada família se forma a seu tempo e, muitas vezes, o tempo que imaginamos não é o que acordamos com o Cara lá de cima e com todos os membros que formarão essa família… só uma reflexão que me ajudou muito em todo o processo de espera.

Também considero importante aproveitar o tempo do processo para trazer toda a decisão e o significado de formar uma família para a consciência do futuro pai ou mãe ou do casal. Estar consciente na decisão e firme é essencial para enfrentar todos os desafios futuros de amar loucamente seus filhos e conseguir criá-los e apoiá-los no seu desenvolvimento, formar uma família de verdade com laços afetivos fortes.

Conta um pouco como foi a sensação de conhecer os seus filhos. Quanto tempo levou entre conhecer eles e tê-los juntinho com vocês em casa? Que idade tinham quando se tornaram pais?

O processo todo levou um ano. Depois que somos aprovados como futuros pais e mães entramos para uma fila de espera, enquanto isso as crianças aptas à adoção estão na sua fila também. Entre a equipe do Fórum apresentar a história e fotos de nossos possíveis filhos e chegarem na nossa casa levou um mês! Imagina a loucura! Eles apresentam a história das crianças e as fotos, nos dão uns dias para pensar e então dar a resposta, mas eu e meu esposo tínhamos certeza que eles eram os nossos filhos no momento que vimos as fotos deles.

O nosso olhar já disse tudo, mas igual não podíamos responder na hora para não sermos impulsivos e irresponsáveis. Levamos tudo para casa, conversamos sobre o que nosso olhar já tinha “dito” e retornamos ao fórum com nossa resposta afirmativa: “sim, eles são os nossos filhos! Finalmente os encontramos.”.

Tínhamos 35 e 42 anos, foi muito emocionante! Montamos um álbum com fotos nossas, da casa, da família e duas mochilas com presentes. Essas fariam parte das ferramentas de trabalho da equipe de psicólogas e assistentes sociais do abrigo e do fórum poderem trabalhar no processo de dar a notícia para as crianças e iniciar a integração na “família de verdade” como nós falamos aqui em casa.

No final do mês, conhecemos as crianças! Foi um momento único!!! Mágico!!! Repleto de todos os tipos de emoções! E eles já nos chamaram de papai e mamãe desde o primeiro dia! É inacreditável como o ser humano é movido por amor!

O que mais mudou na sua vida e em você quando se tornou mãe?

Tudo! Kkkkkkk. Ser mãe é aprofundar o autoconhecimento, é um caminho sem volta, repleto de responsabilidades, emoções contraditórias, sentimentos e pensamentos que nunca imaginou antes. É conhecer a vida de verdade, como ela é. É conhecer o amor verdadeiro, tanto o que damos, quanto o que recebemos deles! É indescritível e único!

Não é fácil, mas não sei nem como eu consegui esperar tanto para ser mãe! Nem consigo mais imaginar minha vida sem meus filhos. Descobri o pior de mim em alguns momentos e ao mesmo tempo o melhor de mim e quanto conseguimos nos modificar e aprender por amor.

Temos uma capacidade infinita de amar e nos desenvolvermos e nossos filhos são alunos e professores nesse processo. A conexão que se forma é única e transformadora. Foi a melhor coisa que fizemos nas nossas vidas!

No Brasil, recentemente, houve alterações nas leis que dispõe sobre a adoção. Em 2017 foi criada a Lei da Adoção que traz novas possibilidades de adoção e estende garantia dos adotantes.  E em 2019 o Conselho Nacional de Justiça (CNJ) lançou o Sistema Nacional de Adoção e Acolhimento (SNA), que integrou e substituiu os cadastros nacionais de Adoção (CNA) e de Crianças Acolhidas (CNCA). Quem tiver interesse em adotar pode se cadastrar aqui .

VEJA TAMBÊM!

Conheça o DPAC na infância Quando começar o desfralde do meu filho? Clube do Dino participa do Arraial Meu Mundo com Ela